Com baixa de juros é preciso cuidado ao investir

Atenção redobrada nas taxas de administração

Muitas vezes, a euforia na hora de investir leva a um único pensamento: os ganhos. Contudo, todo investimento requer atenção e estudo para atingir bons resultados. Alguns fatores a serem levados em conta são as taxas e os juros. Uma taxa muito alta, por exemplo, pode influenciar seu rendimento diretamente, diminuindo ou até zerando.

Em uma linguagem simples, a taxa de administração é um valor que você paga à empresa ou ao operador financeiro por estar administrando o seu dinheiro. Ela é calculada geralmente em um percentual anual baseado no valor do investimento, sendo assim, quanto maior a aplicação, maior o valor a ser pago.

Em situações de juros baixos, é preciso ter mais atenção ainda nas taxas. Isso porque os rendimentos tendem a ser menores quando os juros estão diminuindo. Recentemente o Banco Central anunciou corte na taxa básica de juros (Selic) e alguns bancos já estão se adaptando. No banco Santander, por exemplo, um fundo de renda fixa tinha taxa de administração de 5,5% ao ano, igual à Selic. Com o corte do BC, alguns usuários reclamaram nas redes sociais e o banco resolveu reduzi-la para 2,7% ao ano.

A taxa ideal

Investimentos mais complexos têm, consequentemente, taxas e rendimentos mais altos. Contudo, se for um investimento mais simples, de renda fixa, por exemplo, a sugestão é não aceitar taxas acima de 1%. O ideal é buscar fundos com taxa de administração de até 0,4% ao ano, isso vale para títulos públicos, fundo DI ou o CDB. O Tesouro Direto, por exemplo, é uma alternativa para fugir dessas taxas altas.

Agora se você estiver investindo em uma debênture, que tem uma possibilidade maior de ganho e requer mais esforço do gestor, é aceitável pagar taxas entre 1% e 1,5% ao ano. Em fundos de multimercados ou de ações, pode-se pagar valores maiores, até 2,5% ou 3%, mais uma vez devido à complexidade do investimento.

Em alguns casos, é possível ter taxa de administração zero. É o caso do investimento direto, quando não há a necessidade de um gestor, eles são de baixa complexidade e retorno. Alguns especialistas consideram que a taxa zero vire uma tendência. Vale lembrar que o trabalho continuará sendo realizado e as empresas precisam receber de alguma maneira, porém, a expectativa é que o mercado se adapte à essas novas possibilidades. 

Na hora de escolher o seu investimento, faça uma boa pesquisa. As taxas variam bastante de instituição para instituição. Com o intuito de atrair mais clientes, os bancos menores costumam ter taxas mais atraentes. Por outro lado, é comum que os investidores que estão começando procurem os bancos maiores, pela questão da credibilidade. Esses bancos também têm taxas próximas do ideal apresentado, menos de 1%. 

Por fim, esteja atento às promessas, ganhos altíssimos com custos e riscos baixos podem significar golpe. Verifique o histórico da empresa e do gestor. É um processo trabalhoso, mas que pode trazer bons ganhos. 

Tags: finanças investimentos

Veja mais