Conheça o "Mindfulness": estado de atenção plena

Em meio a tantos estímulos, ter plena consciência do que está acontecendo no presente é um grande desafio

E-mails, mensagens, telefone tocando, alguém te chama para uma conversa. Com tudo isso, o fato de manter-se concentrado passou a ser privilégio para poucos. Afinal de contas, quem consegue se “desligar” de tudo ao redor e manter o foco no que está fazendo?

Apenas 11 minutos. De acordo com pesquisadores, esse é o tempo máximo que a maioria das pessoas consegue ficar concentrada em uma única atividade antes de serem interrompidas. E, mesmo quando ninguém faz isso, você mesmo acaba “desligando-se”. Para piorar a situação, cada momento da falta de concentração, faz com que se gaste mais 10 ou 20 minutos para recomeçar a atividade. Nos acostumamos a não estar 100% presente nas atividades do dia a dia e isso gera stress, ansiedade e o sentimento de estar sempre atrasado.

No meio desta confusão, uma prática budista de 2.500 anos atrás vem ganhando força: o mindfulness. No início, a técnica era utilizada no tratamento de problemas associados ao stress e a dor crônica. Atualmente, a prática se estende para diversos setores da sociedade. Pesquisas mostraram o que os budistas já sabiam: um estado de atenção consciente ajuda não apenas na redução do stress ou da ansiedade, mas também estimula a criatividade e a clareza para avaliar as mais diversas situações.

Como tantas outras capacidades do ser humano, a atenção também pode ser treinada. Os resultados são progressivos e a pessoa pode conseguir maiores índices de atenção. Ao enfrentar situações que exigirão maior concentração, como no período de provas, por exemplo, treinar alguns minutos vai te preparar para expandir os limites de nossa atenção, minimizar os efeitos das distrações (próprias ou alheias).

Existem vários caminhos para chegar ao estado pleno de atenção. Uma delas é a respiração. Apesar de existirem muitas técnicas, é possível começar com a mais simples, que é a respiração quadrada. Nada mais é do que cadenciar o processo, ter consciência de que está respirando e, ao mesmo tempo, afastar todo pensamento que vier interferir neste momento.

Eduard Punset, em seu blog, ensina como praticar a respiração em benefício da atenção plena: “em primeiro lugar, adote uma postura de descanso. Em seguida, respire profundamente graças a uma absorção moderada de ar e sua consequente e posterior exalação. Depois, deixe que o organismo supere o ato de respirar profundamente para acariciar, muito brevemente, os pensamentos aos quais se renuncia e voltar para o processo respiratório. Basta repetir durante 10 minutos – todos os dias – para constatar que o foco da atenção melhorou.


Elaborado a partir de matéria publicada no El Pais

Tags: mindfulness qualidade de vida saúde

Veja mais