Dançar faz bem até para o coração!

Além dos benefícios ao corpo e à mente comprovados por cientistas, a dança pode te proporcionar um novo amor

Quem nunca pôs uma música animada e se sentiu muito melhor depois de mexer as cadeiras? O ato de dançar é um poderoso remédio, capaz de afastar as mazelas do dia a dia e trazer muitos benefícios ao corpo.

Além de a dança ser considerada uma atividade física, ela auxilia no retardo do envelhecimento cerebral e mantém a saúde mental – como constatado pela ciência.

A cura e o rejuvenescimento por meio da dança foram comprovados por um estudo publicado no Frontiers in Human Neuroscience Journal, que afirma que “pessoas que fazem dança e atividade física retardam o processo de envelhecimento do cérebro. ”

O estudo

Neurocientistas afirmam que o ato de dançar é mais eficaz do que o exercício físico localizado, uma vez que a degeneração cerebral ocasionada pelo envelhecimento pode acometer até mesmo os idosos mais saudáveis.

Tal constatação se deu a partir de dois programas de treinamento (plasticidade hipocampal e habilidades de equilíbrio). Foram analisados 52 idosos voluntários, entre 63 e 80 anos, divididos em dois grupos: um fazia aulas de dança e o outro fazia atividades esportivas.

O grupo que fazia dança participou de diversas aulas cujas coreografias, de diversos gêneros musicais, deveriam ser memorizadas e, assim, iam recebendo movimentos de ritmos, organização e velocidade. Já o outro, que fazia as práticas esportivas, tinha como foco treinos de força, resistência e flexibilidade.

O primeiro resultado revelou que a área do hipocampo, responsável pela memória, pelo equilíbrio e aprendizado e a mais afetada ao envelhecer, ficou mais ativa nos dois grupos. Outra conclusão comprovou que nos voluntários do grupo de dança houve um aumento de volume de outras partes no hipocampo esquerdo e em uma parte do direito (subículo). Isso atesta que a dança e seus diversos passos tem mais eficácia do que as atividades físicas de repetição.

Dançar pode trazer um novo amor

Agora que você já sabe do poder curativo da dança, que tal se ajeitar e sair para dançar?

Além de todos os benefícios que o ato de se movimentar pode trazer para o corpo e para a mente, sair de casa com esse intuito pode te proporcionar grandes amizades e, para os solteiros, um lindo romance. Entenda que, ao iniciar aulas de dança, é possível conhecer muitas pessoas e uma delas pode ser um novo amor.

Ao se abrir para um possível namoro, os laços de afetos criados aumentam a autoestima e geram bem-estar físico e mental. Mais do que isso, afasta a solidão e a depressão, já que ter um(a) companheiro(a) torna os dias mais alegres e preenche o vazio deixado quando os filhos não moram mais em casa.

Compartilhar a vida com alguém pode influenciar diretamente na satisfação e na socialização, além de aumentar a expectativa de vida de modo considerável. Isso pode dar-lhe novamente o prazer pela vida, desenvolvendo intimamente o seu lado mais sensual.

Essa experiência agradável trará um relacionamento mais saudável do que os da juventude, uma vez que se sentirão mais livres para viver e não estarão propensos a frustrações ou cobranças descabidas, pois já possuem certos aprendizados. É essencial ter consciência do seu momento e se preparar para se apaixonar e ser feliz vendo o outro como realmente é. Outro ponto é abrir-se com a família e conversar sobre a decisão, impedindo que tal desejo se esvaia com interferências invasivas.

Saiba que entregar-se mais inteiramente a um relacionamento trará uma sensacional vivência que não deve ser tolhida. A idade jamais será um impedimento para um novo amor, bem como os apaixonados não devem se preocupar com antiquadas regras impostas pela sociedade.

Neste Dia dos Namorados, prepare-se para mudar de vida e sair da solidão. Apaixone-se novamente e permita que outra pessoa encha os seus dias de alegria.

 

Tags: cérebro coração corpo diadosnamorados namoro